capa do livro

Entrevistas que fazem pensar

Idéias e Resultados

Maria Lúcia Gomes de Matos

Fiquei surpreso e honrado com o convite da minha querida amiga-de-fé, caminhada e projetos, Maria Lúcia Gomes de Matos, para escrever este prefácio. Sou economista, e hoje empreendedor social, e não tenho o dom da escrita. Mas o que escreverei aqui é de coração.
Conhecemo-nos, através de amigos em comum, na PUC-Rio, onde eu estava, no final de 1999, fazendo os primeiros contatos para parceria em projeto que, naquela época, existia apenas no papel.

Como todos os sonhos e utopias da vida, o AMAI-VOS era simplesmente um projeto que buscava adesões e recursos para se viabilizar. Queríamos propagar o amor como valor supremo na sociedade contemporânea, independentemente de cultura, de etnia e de religião, e ajudar no combate à pobreza e às desigualdades sociais no Brasil. Para isso, usaríamos a inteligência e a tecnologia. “A fé sem obras é morta”, já dizia a Epístola de São Tiago.

Um projeto novo, sem subordinações institucionais, sem recursos, mexendo em áreas sensíveis como a da religião...

As adesões começaram aos poucos, timidamente, com muita cautela e desconfiança. “Como assim? Internet? Parceria com o UOL? Padre on-line? Orientação espiritual on-line? Não pode... Professor e Médico on-line...?” Nossa, quantos “não pode” e quantos “nãos” nós enfrentamos e tivemos de digerir e superar.

Maria Lúcia foi uma das primeiras pessoas que aderiram ao nosso trabalho. Ela acreditou no conceito e nas propostas do AMAI-VOS desde a primeira hora, do primeiro instante. Como responsável pela área de Entrevistas, ela fazia um trabalho silencioso e solitário, buscando pessoas que pudessem contribuir com o nosso projeto. Como aqueles heróis, ou em linguagem católica, santos, que ninguém vê, muitos não sabem ou não percebem o que estão fazendo, mas eles estão por aí, em todos os cantos do mundo.

A cultura contemporânea tem valorizado o ter, o saber, o aparecer... E as pessoas que lutam por ideais, por amor, por ética e por solidariedade têm ocupado espaços menores aos olhos da sociedade. Mas, graças a Deus, pessoas como Maria Lúcia ainda existem, sempre existiram e vão continuar a existir. Caso contrário, a vida perderia o seu sentido mais profundo.

O conteúdo das entrevistas e a sua forma refletem esses ideais pelos quais lutamos. Éramos poucos, com ínfimos recursos humanos e materiais. Crescemos um pouco, ganhamos adesões importantes de pessoas e instituições e continuamos na nossa estrada e na nossa luta. Os resultados têm sido muito gratificantes, principalmente quando vemos pessoas carentes de alguma forma, de todos os cantos do Brasil e do mundo, sendo confortadas humana e espiritualmente com o nosso trabalho e os nossos serviços.

À Maria Lucia, nossa irmã de caminhada, o nosso mais sincero e profundo agradecimento por estar com a gente nessa luta. Pela sua grandeza humana e espiritual, pela sua ética, pela sua dedicação, pela sua garra e pelo seu carinho de sempre. Em nome de toda a nossa equipe!

Tony Piccolo
Projeto Amai-vos

Veja também

capa do livro

Corpos, imaginários e afetos nas narrativas do eu

Denise da Costa Oliveira Siqueira (org.)

capa do livro

Ensaio sobre a pergunta

Uma teoria da prática jornalistica

Maria Luiza Franco Busse

capa do livro

Divulgação científica

faces em reflexão

Mario Newman de Queiroz (org)

capa do livro

Políticas periféricas para um design responsável

Beatriz Russo e Lilyan Berlim (orgs.)

capa do livro

Design e Economia Criativa

ensaios para um campo plural

Mirella De Menezes Migliari (org.)