capa do livro

Introdução ao Chinês

Rubens Nemitz e Sergio Barbosa Villas-Boas

Os benefícios advindos do estudo da língua chinesa são muitos e diversos. Parece-me que atualmente o grande fator que incentiva a maioria das pessoas a estudar este idioma é o aumento, cada vez mais crescente, das relações comerciais e culturais entre as nações brasileira e chinesa. Com efeito, o aumento do fluxo de trocas comerciais e culturais entre estes dois países é, por si só, motivo suficiente para despertar o interesse do estudo do Chinês. Além disso, é sabido que a China é um dos países que mais cresce no mundo, e cresce em uma velocidade assustadora, de modo que se torna evidente o papel de destaque e de grande importância global que a China assumirá em um futuro próximo, bem como a importância daquele país como parceiro comercial e cultural do Brasil. Sim, atualmente estudar a língua chinesa é, sem duvida, uma escolha inteligente, e baseando-me em estatísticas bem como em minha experiência pessoal em contato direto e ininterrupto de mais de uma década com os chineses e com a sua cultura, arrisco-me a dizer que em um futuro próximo não será apenas uma escolha, mas sim uma necessidade.

Além disso, o domínio do Chinês é o primeiro e indispensável passo que se dá, para aqueles que tenham dedicação, para abrir as portas do conhecimento relativo a uma das mais antigas e ricas culturas da humanidade. Mais do que parceiro comercial de diversos países, a China é o berço de filosofias, artes e pensamentos que somente podem começar a ser totalmente desvendados através do estudo, pesquisa e análise de material original, escrito em Chinês. O conhecimento advindo do estudo destas filosofias e artes beneficiará muito qualquer pessoa, porém há um abismo de conhecimento que separa os que lêem trabalhos traduzidos dos que lêem trabalhos originais. Até na área comercial, o abismo linguístico torna-se evidente entre aqueles que dependem de tradutores e intérpretes e aqueles que dependem de si mesmos.

A cultura chinesa é singular e tem identidade própria, sendo absolutamente diferente do que estamos acostumados a ver no ocidente, e até mesmo em alguns países do oriente. Tomando como padrão a civilização ocidental, o chinês pensa diferente, age diferente e tem valores absolutamente diferentes e distintos dos nossos. O domínio da língua Chinesa proporciona aos que a dominam a grande oportunidade de ter, em primeira mão, um valioso entendimento da cultura e dos hábitos daquele país, seja na área comercial, artística ou filosófica, de modo que os benefícios do domínio do Chinês não estão de forma alguma restritos a um determinado grupo.

Rubens Nemitz tem se dedicado com entusiasmo ao estudo de certos elementos da cultura chinesa, tendo atingido, no Brasil, um nível de conhecimento acerca do povo Chinês e sua cultura que o faz sobressair-se ao estudante comum. Seu livro apresenta uma introdução básica à língua chinesa, acredito que o seu uso venha a ser proveitoso àqueles que desejam iniciar seus estudos deste idioma.

Tadzio Goldgewicht
Radicado na China, especialista em Chinês Clássico pela Universidade de Shanxi

 

Home page oficial do livro aqui

Veja também

capa do livro

Governança Corporativa no Brasil e no Mundo

Ricardo P.C. Leal, Vicente A.C. Ferreira e André L.C. da Silva

capa do livro

A Viena de Arthur Schnitzler

Variações sobre a lei e o desejo, a razão e a desrazão

Leonardo Munk