capa do livro

Vulnerabilidades do Complexo Industrial da Saúde

Reflexos das políticas industrial e tecnológica na produção local e assistência farmacêutica

Lia Hasenclever, Julia Paranhos, Gabriela Chaves e Maria Auxiliadora Oliveira (orgs.)

O livro que tenho o prazer de apresentar aos leitores deriva de um projeto multicêntrico de pesquisa apresentado a um edital lançado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), e pelo Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde (Decit/SCTIE/MS) em 2013. Esse edital, sugerido aos dois financiadores pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), propunha-se a constituir uma Rede Nacional de Pesquisas sobre Política de Saúde. O projeto original que deu origem ao livro, intitulado Reflexo das Políticas Industriais e Tecnológicas de Saúde Brasileiras na Produção Local e no Fornecimento ao Sistema Único de Saúde (SUS), ocupou-se, como o nome indica, do desvelamento de vários e centrais aspectos do Complexo Industrial da Saúde no Brasil, componente este da política de saúde que talvez seja, neste século, o mais dinâmico entre os que compõem a complexa política de saúde brasileira no seu componente público.

O “gancho” mais importante da temática do livro vincula-se à existência de uma política industrial/tecnológica explícita no campo da saúde organizada a partir do Ministério da Saúde (MS), gestor federal do SUS, e de nossa principal instituição estatal de fomento industrial e tecnológico, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Essa política, cujo marco inspirador foi o processo de licenciamento compulsório do antirretroviral Efavirenz em 2007, no início da gestão do ministro José Gomes Temporão no MS, foi inaugurada no ano seguinte e persiste (ou resiste) até hoje, muito embora bastante modificada. Os componentes organizacionais envolvidos foram, no MS, a SCTIE e, no BNDES, o Departamento de Produtos Intermediários Químicos e Farmacêuticos (Defarma), responsável pelo fomento à área industrial de saúde. O Complexo Industrial da Saúde foi uma das áreas prioritárias nas três versões de política industrial vigentes entre 2004 e 2014 e a adesão do mesmo às diretrizes daquelas políticas foi, talvez, a mais bem-sucedida entre todos os setores prioritários nelas elencados.

Veja também

capa do livro

Arranjos Produtivos Locais: Referencial, experiências e políticas em 20 anos RedeSist

Marcelo P. Matos, José E. Cassiolato, Helena M. M. Lastres, Cristina Lemos, Marina Szapiro (orgs.)

capa do livro

Do Desenvolvimento Global aos Sítios Locais

Uma crítica metodológica à Globalização

Henry Panhuys (tradução de Michel Thiollent)

capa do livro

Desafios de operação e desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

Lia Hasenclever, Maria Auxiliadora Oliveira, Julia Paranhos e Gabriela Chaves (orgs.)

capa do livro

Brasil e Argentina

Políticas e trajetórias de desenvolvimento

Renato Boschi e Santiago Bustelo (Org.)

capa do livro

Políticas estratégicas de inovação e mudança estrutural - vol. 2

Uma década de evolução dos Arranjos Produtivos Locais

Marcelo G. Pessoa de Matos, Elaine Borin, José E. Cassiolato (Org.)