capa do livro

A Comunicação Multissensorial

Compreendendo modos de sentir

Ana Erthal

Quando fui convidada a escrever o prefácio desse livro, fiquei pensando se o convite seria pela imensa amizade com a autora, a quem tenho profundo apreço e admiração, pela competência, foco, energia e determinação em suas realizações. Entretanto, à medida que fui lendo a obra, tão cuidadosamente elaborada, estabeleci diversas conexões com a minha atuação como psicóloga e professora, com o contexto em que vivemos e as relações que se formam entre indivíduos e marcas.

Vivemos num mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo, num movimento contínuo de transformações que provocam a releitura e a inovação constantes, dos profissionais, das marcas e organizações que pretendem continuar no mercado. A convivência das diversas gerações, com o aumento da longevidade, a busca pelo sentido do trabalho e o desenvolvimento do potencial humano têm direcionado a humanização das relações nas organizações e o maior engajamento dos estudantes em sala de aula, através do uso de metodologias ativas que os tornam protagonistas do processo e centro da aprendizagem.</p>

Ao ler o livro A Comunicação Multissensorial − Compreendendo modos de sentir é notória a transformação nas relações entre consumidores e marca, assim como entre professores e estudantes, líderes e liderados, organizações e colaboradores. Há uma nítida mudança da disputa pela presença da marca na maior quantidade de meios de divulgação, ampliados exponencialmente com as mídias sociais, para a memória do sujeito, através da experiência sensorial com a marca, que passará a ser lembrada quando associada à memória afetiva, fortalecida e evocada pela lembrança de momentos de emoção ou contato agradável. Seu principal objetivo, alcançado com louvor, é “tratar questões referentes ao campo de estudos da comunicação mercadológica, mais especificamente, sobre as questões que envolvem a ideia de marcas sensoriais como mnemotécnicas: a evolução de estratégias de comunicação mercadológica planejadas para criar vínculos memoráveis em seus públicos-alvo”.

A autora utilizou uma base teórica sólida, abordando a importância dos sentidos na percepção do mundo e no desenvolvimento das subjetividades. Traça um histórico da construção do espaço urbano e faz um paralelo com a formação do indivíduo, abordando os autores da psicologia sócio-histórica que valorizam o ambiente como um fator influenciador na construção do sujeito, fundamentação essencial para a compreensão da comunicação multissensorial como estratégia de marca. Em seguida explora a percepção através dos sentidos, dando significado às experiências que são retidas na memória. Os sentidos que nos aproximam do mundo e nos fazem transgredir algumas convenções quando vemos um ambiente “frio” ou sentimos o “calor” de um momento agradável.

O uso dos sentidos pela publicidade não é algo novo. Entretanto, Ana Erthal dá significado às estratégias multissensoriais como cultura comunicativa, não pelo modismo, mas com base científica, oferecendo aos estudantes e profissionais de Comunicação, uma obra de grande valia para compreensão do processo e tomada de decisão mais consciente em relação à comunicação mercadológica entre marcas e pessoas, na contemporaneidade.

Boa leitura!

Joyce Ajuz Coelho

Doutora em Comunicação e Cultura

Veja também

capa do livro

Corpos, imaginários e afetos nas narrativas do eu

Denise da Costa Oliveira Siqueira (org.)

capa do livro

Ensaio sobre a pergunta

Uma teoria da prática jornalistica

Maria Luiza Franco Busse

capa do livro

Divulgação científica

faces em reflexão

Mario Newman de Queiroz (org)

capa do livro

Uma Górgona na Gangorra

Denúncias e reflexões sobre a individualidade contemporânea

Mauro Bühler

capa do livro

Políticas periféricas para um design responsável

Beatriz Russo e Lilyan Berlim (orgs.)