capa do livro

Construção da abordagem das capabilidades v.II

A economia ética, plural, tolerante e democrática do economista-filósofo Amartya Kumar Sen

Carlos José Saldanha Machado

Este livro reúne os três capítulos do segundo volume de uma obra divida em três partes. O volume I (Machado, 2020) explorou as tentativas de respostas epistemológicas elaboradas por Sen, e pela economia normativa até 1951, para resolver as dificuldades levantadas para articular a dimensão científica da teoria econômica e o caráter político e normativo que algumas vezes assume. Agora, este volume propõe analisar o conteúdo normativo das contribuições de Sen para a economia, particularmente do ponto de vista da contribuição que elas constituem para a compreensão do “bem-estar” que respeite a diversidade1. Portanto, não se trata mais de esclarecer a epistemologia mobilizada por diferentes autores para pensar sobre o papel prescritivo da economia, mas, antes, determinar em que as teorias de Sen (críticas, definições e as diferentes noções que desenvolve) renovam a economia normativa e modifica sua concepção de bem-estar.

O início dos anos 1970 é a ocasião para Sen começar uma crítica ao utilitarismo, aos fundamentos filosóficos da economia do bem-estar e a teoria da escolha social, que atingiu seu apogeu no final dos 1970 e 1980, e continua durante os anos 1990. Paralelamente, o termo “capabilidades” apareceu pela primeira vez em 1980, mas a “abordagem” de Sen construída em torno dessa noção emergirá somente a partir de 1985. Assim, é possível interpretar a abordagem das capabilidades como uma resposta às diferentes falhas que Sen atribui à economia normativa. As numerosas críticas que ele fórmula contra o welfarismo, por exemplo, liberam, ao contrário, os eixos apropriados para uma melhor teoria da avaliação, e repousa sobre ferramentas analíticas que serão reutilizadas no interior da abordagem das capabilidades. A fase crítica de seu trabalho define uma “metodologia negativa”, que revela, no sentido fotográfico do termo, os critérios e o conteúdo de uma avaliação adequada do bem-estar individual. Embora os dois períodos – o período crítico e o período construtivo – estejam relativamente próximos, não é inconcebível considerar os trabalhos que Sen consagrou ao utilitarismo como antecedendo às pesquisas sobre as capabilidades. Se a interpretação diacrônica às vezes é um pouco forçada, tem a vantagem de tornar possível explicar o vínculo entre uma intuição analítica crítica e seu uso como um “cimento” argumentativo na abordagem da capabilidade. A leitura dos textos dedicados ao utilitarismo revela a emergência de muitos dos temas e dos conceitos que se tornarão os centros de interesse de Sen ao longo das próximas décadas: o conceito de “base informacional”, o esquecimento utilitarista do papel das ações no julgamento moral ou ainda a possibilidade de uma perspectiva consequencialista, com nuancias.

Veja também

capa do livro

The Vulnerabilities of the Brazilian Health Industrial Complex

Industrial and Technological Health Policies

Lia Hasenclever, Julia Paranhos, Gabriela Chaves e Maria Auxiliadora Oliveira (orgs.)

capa do livro

Essays on Corporate Governance in Brazil

André Luiz Carvalhal da Silva

capa do livro

Região Norte Fluminense

O desenvolvimento em questão

Lia Hasenclever e Yves-A. Fauré (orgs.)

capa do livro

Construção da abordagem das capabilidades

A economia ética, plural, tolerante e democrática do economista-filósofo Amartya Kumar Sen

Carlos José Saldanha Machado