capa do livro

Educação antirracista

Propostas para o Ensino de História

Larissa Viana, Clara Thais Pereira de Andrade, Luana Ribeiro Penetra e Otávio Campelo (orgs.)

Este livro foi preparado ao longo do ano de 2021 e é o resultado da mobilização de estudantes da Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Desde 2017, uma reforma curricular tornou regular a oferta de disciplinas especialmente dedicadas a discutir as relações entre o Ensino de História e as lutas antirracistas no Brasil. Em 2021, estudantes matriculados nesta disciplina foram convidados a escrever textos em que selecionassem materiais (vídeos, filmes, músicas, livros, podcasts...) considerados interessantes para o Ensino de História em uma perspectiva de combate ao racismo. A ideia central do projeto foi a de criar pontes e diálogos entre estudantes da UFF _ professores de História em formação_, e nossos colegas, profissionais atuantes nas redes de ensino. A intensa experiência de troca e convivência cotidiana nas escolas, tão importante na formação de novos docentes, foi uma das atividades educacionais e sociais fortemente afetadas pelo período da pandemia da Covid 19. O livro foi concebido, então, para manter próximos e em diálogo nossos estudantes da UFF e os professores do ensino básico.

A publicação, em 2022, coincide com os dez anos de implementação da Lei 12.711, sancionada pela presidente Dilma Rousseff em agosto de 2012 e posteriormente conhecida como a lei das cotas no ensino federal. Como parte de uma expressiva política pública de reparação e promoção de justiça social, a lei definiu as regras para o acesso de estudantes negros, indígenas e de pessoas com deficiência às instituições de educação superior, além de contemplar estudantes que cursaram integralmente o ensino médio em escolas públicas. Esta lei veio somar-se a outras importantes conquistas brasileiras, fruto da ação do movimento negro em sua longa história de combate ao racismo no país. Insere-se, igualmente, em um panorama internacional, particularmente vinculado ao impacto da agenda antirracista da III Conferência Mundial de Combate ao Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata, realizada na África do Sul, em 2001. Esta agenda contribuiu para que a ONU propusesse a instauração da Década Internacional de Afrodescendentes a partir de 2015, referencial significativo na discussão sobre dever de memória, justiça reparativa e ações afirmativas em escala internacional.

Com alguns destes referenciais nacionais e internacionais em mente, buscamos debater em nossas aulas as iniciativas mais locais de mobilização, do campo das Humanidades e da Educação, nas ações de combate ao racismo. Na Universidade Federal Fluminense, ainda no ano de 1975, foi fundado o Grupo de Trabalho André Rebouças, recentemente estudado pela historiadora e jornalista Sandra Martins da Silva.1 O Grupo, conhecido como GTAR, foi formado por estudantes da universidade envolvidos na luta pela redemocratização política e pelo antirracismo. Criaram uma proposta pioneira de intervenção intelectual e social, construída coletivamente através da atuação da historiadora Beatriz Nascimento, do sociólogo Eduardo Oliveira e Oliveira, na ocasião doutorando na USP, e de diversos jovens estudantes engajados no estudo das relações raciais no Brasil, a partir de uma perspectiva de transformação da sociedade. O intercâmbio de informações acadêmicas tornou-se sistemático nas Semanas de Estudos sobre a Contribuição do Negro na Formação Social Brasileira promovidas pelo GTAR. Anualmente, o seminário reunia especialistas para tratar da temática racial, originando a publicação dos Cadernos de Estudos, pioneiros no Brasil na época. O conhecimento social e histórico debatido e divulgado pelo Grupo projetava-se para além do ambiente acadêmico por relacionar-se aos compromissos de um movimento social amplo. Um movimento negro educador nos muitos níveis que essa palavra admite: na escola, na vida profissional, na comunidade e na universidade.


1 SILVA, S M.. O GTAR (Grupo de Trabalho André Rebouças) na Universidade Federal Fluminense: Memória social, intelectuais negros e a universidade pública (1975/1995). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História Comparada, UFRJ, 2018.

Veja também

capa do livro

Interação academia-indústria

Métodos de avaliação e caso de estudo na área biomédica

Daniela Uziel e Diego Allonso (orgs.)

capa do livro

Metodologias ativas de aprendizagem no ensino superior

Vitor Pires dos Santos e Daniel Kamlot (orgs.)

capa do livro

Aprendendo a inovar em projetos STEAM

Um guia para estudantes

Marco Braga

capa do livro

Educação, etnicidades e alteridades

Lutas por reconhecimento

José Valdir Santana, Maria de Fátima Ferreira, Benedito Eugenio e Jussara Moreira (orgs.)

capa do livro

Vivências e Docência

Impactos na formação individual e na prática docente

Maria Auxiliadora Negreiros de Figueiredo Nery