capa do livro

Voos da manhã

Maria de Lourdes Alba

Considero a Vida plural, mesmo a nossa única vida é rechea­da de pluralidades, por isso tem muitas fontes, vertentes. Muitas Existências e uma única só Existência.

O título do artigo acima e o primeiro parágrafo servem para abordar a obra poética Melodia Íntima, da escritora Maria de Lourdes Alba. O livro começa afirmando “Meus poemas são minha fonte de existência”.

E assim vejo, em cada uma das 62 poesias que perfazem o texto, uma só fonte que se multiplica em 62 fontes.

Não por acaso, hoje, 25 de janeiro, é o aniversário da bela cidade de São Paulo, de que gosto muito. No calendário francês que recebi de presente, lá de Lille, norte da França, confirmo que também é o “dia da Conversão do Apóstolo Paulo”, quando ele deixou de ser Saulo e tornou-se o grande Paulo da Cristandade.

Alba fala de amor e, imediatamente, lembro de Buda, do sofrimento que está inerente nesta atitude de amar... o lado bom e o lado negativo deste maravilhoso afeto; as vivências positivas e negativas desta experiência Amor que por ser única, rápida, passageira, desenvolve-se plural... a dois...

No final do livro há um importante posfácio do professor Carmelo Distante, USP: “acreditamos que fica claro que a poesia de Maria de Lourdes Alba aproxima-se da filosofia (...) vê-se que é sempre listrada de filosofia (p. 78)”.

Alba tem oito livros de poesias editados, trabalhos publicados na Itália, Suíça e Uruguai.

Concordo plenamente com o citado Carmelo: “extraordinária poetisa brasileira”.

Insiro-a, incluo-a, coloco-a entre os grandes nomes femininos da poesia nacional.

Antonio Carlos Rocha
Professor e crítico literário do RJ.

Veja também

capa do livro

Tecendo um mundo azul

Versos de mais um bêbado virando um copo de poesia e amor

Letícia Fernandes

capa do livro
capa do livro

Frações

Luiz Cláudio Dias Reis

capa do livro

A vida tem seu tom

Lorraine Veran

capa do livro

Encontros Imprevisíveis

Maria Lucia Gomes de Matos e Suely Dessandre