capa do livro

Rompendo os tapumes

Uma proposta de interação vivenciada através da restauração na comunidade de S. S. das Águas Claras

Moema Nascimento Queiroz

Entre 2001 e 2003 realizamos uma pesquisa no campo da conservação-restauração, com especial atenção à educação patrimonial, em um distrito de Nova Lima-MG, denominado São Sebastião das Águas Claras ou simplesmente Macacos, como carinhosamente é chamado por seus moradores e visitantes. O início desse trabalho se deu ao aceitarmos um convite para integrarmos a equipe coordenadora de conservação e restauração dos bens móveis e integrados, importante item de um projeto maior de revitalização da Capela de São Sebastião, patrimônio de grande importância para o distrito. Ao iniciarmos o processo de restauração, vislumbramos a possibilidade de ampliar seus limites, extrapolando o canteiro de obras, mergulhando numa investigação mais profunda, que resultou em uma dissertação de mestrado, e que agora, em 2008, temos o prazer de compartilhar com você, leitor, com a concretização desse livro.

Ao revisarmos o texto para sua publicação, sentimos a necessidade de dividí-lo em dois momentos: a primeira parte, que denominamos “Desvelando Caixas”, mais específica, técnica, investigativa, com uma série de informações fundamentais para a construção e concretização da segunda parte, “Construindo Pontes”, em que apresentamos as experiências resultantes de nossas descobertas e proposições. O panorama apresentado ao leitor se refere ao período em que desenvolvemos a pesquisa (2001-2003), e que hoje se apresenta bastante modificado em alguns de seus aspectos. Muitos altamente positivos, como o trabalho desenvolvido com as crianças da escola municipal local e posteriormente continuado através de ações do Projeto Kairós (hoje, Instituto Kairós, ONG sem fins lucrativos e grande incentivador da comunidade local). Entretanto, nem todo o panorama apresentado se alterou, continuando alguns problemas críticos ainda sem solução por parte das administrações competentes, sem haver alcançado o resultado desejado ou sem a intervenção adequada. Assim como seus personagens, que em cinco anos sofreram transformações em suas vidas, afastando-se ou inserindo-se totalmente nas propostas vivenciadas através de algumas de nossas ações.

A construção dessa pesquisa se desenvolveu aos poucos. Como uma caixa fechada que nos convida a descobrir seus maiores segredos. Caixa que, ao abrirmos, encontramos outra e outra e tantas outras. E todas, ao serem abertas, transbordando de surpresas, novidades e desafios. Caixas de maravilhas, caixas de ilusões, caixas de solidão. Mas também de possibilidades, construção e projeção. Caixas de memórias esquecidas, relembradas, resgatadas. Reflexos de uma proposta em que o caminho trilhado buscou a interação. Interação entre o autor desta pesquisa com a comunidade local e outros profissionais, tendo como elemento convergente um projeto de restauração e o emprego de determinados critérios e procedimentos de conservação preventiva com o propósito de desenvolver e compreender o processo de restauração de sua importante edificação histórica, a fim de torná-la, em toda sua legitimidade, veículo de revalorização de uma identidade cultural local.

Para tanto, estabelecemos primeiramente nossos objetivos, pautados na investigação sobre a degradação da edificação investigada – Capela de São Sebastião – e de seus bens móveis e integrados (esculturas e altar-mor); nas informações sobre seu entorno e na aplicação de uma metodologia de análise e diagnóstico do estado de conservação para a compreensão de suas patologias; numa análise dos dados sobre a edificação e seu entorno e suas conseqüências diretas e indiretas às obras; no desenvolvimento de práticas junto à comunidade para que pudessem despertar o interesse pela sua própria história, tendo como estímulo inicial a restauração da Capela e suas imagens de devoção; em ações integradoras, mediante compreensão dos objetivos anteriores, para serem repassados de forma compreensível a esta comunidade, convidando-a a ser co-participante de seu processo futuro de conservação e autora de si mesma pelo resgate de sua auto-estima.

Na primeira parte do texto, nos apoiamos no embasamento teórico para dar inicio à nossa proposta, através de literatura referente à ciência da conservação nos aspectos concernentes ao controle ambiental, ao desenvolvimento de estratégias, às normas e procedimentos para proteger o patrimônio e experiências no campo da educação patrimonial como geradoras de novas posturas no processo de preservação patrimonial, o que nos levou ao levantamento histórico-geográfico da região de Nova Lima, nela localizando São Sebastião das Águas Claras e sua Capela.

Em seguida apresentamos uma visão geral da Igreja como pessoa jurídica, destacando ainda seus aspectos administrativos, sua subordinação ao Direito Canônico no que se refere aos bens patrimoniais, dentre eles, a Capela de São Sebastião, da qual apresentamos sua rotina e o papel da Prefeitura de Nova Lima na gestão de recursos voltados a ela, para, de posse desses dados, analisarmos os aspectos formais e estilísticos da edificação e seus bens integrados, inserindo-os no contexto do perío­do do Barroco em Minas Gerais, ao destacar sua importância histórica e artística que, após sua restauração, teve restabelecida sua unidade potencial e a continuidade de sua utilização, em seus 300 anos de história.

Estudando o edifício e seu entorno, abordamos problemas referentes ao gerenciamento e suas implicações na intervenção de um patrimônio e a dificuldade que geralmente ocorre, no estabelecimento de uma conduta de real interação entre os diversos setores vinculados à sua recuperação, justamente pela ausência de uma visão conjunta mais abrangente quanto ao comprometimento com o patrimônio no contexto ao qual ele pertence. Foi de suma importância também tentarmos compreender a região em seus aspectos climáticos, estabelecendo as relações entre o edifício, seu entorno e toda a influência dos agentes externos no ambiente interno da Capela.

Realizando a análise das condições do bem em questão e baseados em diagnósticos anteriores e em nosso próprio diagnós­tico, procuramos estabelecer ligações entre as patologias recorrentes e suas possíveis causas, para elaborar, por fim, um levantamento dessas patologias recorrentes e formar uma linha de conduta que nos levasse a soluções quanto aos problemas detectados, sem prejuízo à edificação e à sua comunidade mantenedora.

Nesse aspecto, ao reunirmos todos esses componentes, passamos para a segunda parte do texto, quando nos atemos a uma reflexão sobre o papel do conservador-restaurador e seu comprometimento profissional e de cidadania quanto à preservação do patrimônio cultural por meio de ações que extrapolem seu âmbito de trabalho, num exercício de percepção entre proposta e realidade que pudesse estabelecer um elo com a educação patrimonial.

Assim, elaboramos os estudos de casos, abordando os três grupos que interagiram diretamente com o conservador-restaurador: o primeiro formado pelos membros mantenedores da Capela; o segundo, pela escola municipal local e sua equipe e o terceiro formado pelo Conselho Consultivo Municipal do Patrimônio Histórico e Artístico de Nova Lima.

Após toda a abordagem aqui apresentada, discutimos os resultados das ações empreendidas, chegando à conclusão de que o contexto em que as experimentamos é dinâmico e passível de modificações, o que proporciona ao nosso projeto não um fim, mas um caminho para a continuidade de um diálogo mais amplo no que se refere ao patrimônio e à integração de profissionais de áreas diversificadas em seu processo de preservação.

Moema Nascimento Queiroz

Veja também

capa do livro

História do Urbanismo no Rio de Janeiro

Administração Municipal, Engenharia e Arquitetura dos anos 1920 à Ditadura Vargas

Lúcia Silva