capa do livro

O Golpe na República

Um inventário de uma utopia

Lincoln de Abreu Penna

A ideia original deste livro era associar o lento processo de desfibramento dos ideais republicanos com a morte da república. Mais como morte do ideário do que de sua pálida realidade. Mas a morte associada à história tem sido objeto de certa repulsa dos historiadores comprometidos com a tradição iluminista. Afinal, a proliferação de mortes da história, do homem e das ideologias, para exemplificarmos apenas as mais citadas, provoca reações perfeitamente compreensíveis. No entanto, não há como deixar de lado a falência de ideários e utopias que acalentaram tantas gerações a se engajarem na história como cidadãos ou como intelectuais produtores do conhecimento historiográfico.

Nesse sentido, o texto que o leitor terá pela frente é uma catarse, mas pode também ser entendido como um libelo diante da apatia que impera presentemente no cenário mundial. Preferimos na versão final substituir o título, de "Morte da República" para "O Golpe na República". Com isso enfatiza-se a falência daqueles ideais a ações de poderes, cuja convivência com o que se denominou no passado de espírito era e é incompatível. Mais precisamente tais poderes derivam da coexistência com o capitalismo, de lógica antagônica com os princípios alimentados pelos ideólogos republicanos e a ideia de res publica.

A ideia de morte rondava o meu imaginário a ponto de se tornar o título principal deste livro, talvez até em virtude do meu estado de saúde, que tornava essa ideia mais constante. Mas no final, ao retirar o vocábulo morte, imaginei um termo que melhor precisasse a proposta e cheguei a adotar o subtítulo "Inventário de uma Utopia". E assim permaneceu. Todavia, o que me tornou mais açodado foi a perspectiva de um longo período de ausência em virtude de tratamento para restabelecer-me, além de ter de concluir a estrutura de uma outra publicação. Os mais de três anos do tempo da elaboração deste livro até sua finalização e edição, não comprometeram fundamentalmente seu conteúdo, como já foi assinalado, e tampouco as fontes das quais me vali para sublinhar ou dar substância às ideias, que a rigor dizem respeito ao que o autor pensa do objeto aqui tratado.

Passado aquele período de incerteza quanto ao retorno normal de minhas atividades profissionais e acadêmicas, e ao reler o que escrevera achei oportuno não só publicar este livro como relatar as razões que me levaram a escrevê-lo. O tempo curto desses trinta e tantos meses tem reafirmado minhas convicções quanto aos rumos que a sociedade contemporânea percorreu. Viver o paradoxo de se ter denominações fundadas em concepções, a ressaltarem temas senão libertários pelo menos humanitários, como o de república para batizar regimes e governos que a utilizam para procederem a práticas contrárias a esses temas, são, positivamente algo mais do que contraditório. É, para as mais caras tradições humanistas, um acinte doutrinário. E o pior. Sob o manto da engrenagem do capitalismo, como um instrumento cada vez mais considerado como um dado natural, isto é, compatível com os postulados republicanos.

De resto, o texto que o leitor verá é um ensaio e, como tal, está sujeito ao contraditório, ao debate das ideias e ao confronto das opiniões. E se isso acontecer, valeu ter tido a petulância de ter tornado público essas mal traçadas linhas, pois estou seguro de que ganharei com a troca de ideias que vier a acontecer.

Lincoln de Abreu Penna

Veja também

capa do livro

Tempos de insanidade catastrófica no Brasil

Carlos José Saldanha Machado

capa do livro

Trajetórias docentes

Professores de História narram suas histórias na profissão

Everardo Paiva de Andrade e Marcos Pinheiro Barreto (orgs.)

capa do livro

Caminhos da Soberania Nacional (2ª edição)

Os Comunistas e a Criação da Petrobras

Lincoln de Abreu Penna

capa do livro

Peter Wilhelm Lund

O naturalista que revelou ao mundo a pré-história brasileira

Ana Paula Almeida Marchesotti

capa do livro

O pai do futurismo no país do futuro

As viagens de Marinetti ao Brasil em 1926 e 1936

Orlando de Barros