capa do livro

A Nova Paidéia

Ciência e Educação na Construção da Modernidade

Marco Braga

Fruto da tese de doutorado de Marco Braga desenvolvida e defendida no Programa de Engenharia de Produção da Coppe/UFRJ, na linha de pesquisa em Difusão Cientifico-Tecnológica, este livro contribui para o entendimento do que veio a ser o referencial principal do ensino técnico-científico em nosso país: o projeto educacional e formativo do Iluminismo francês, arquitetado e difundido por pensadores, cientistas, engenheiros, educadores e organizadores da cultura e da política na França revolucionária e pós-revolucionária do final do século XVIII e início do XIX. Construído para ser o referencial de formação dos dirigentes da “nova França”, esse projeto deveria abranger todas as esferas da vida, com ênfase particular para o desenvolvimento das faculdades racionais, organizativas e construtivas, fundamentos da atividade e da personalidade do novo dirigente de uma nova sociedade – uma sociedade a ser projetada, entendida e regida como se fosse máquina.

O impacto do projeto pedagógico iluminista “à francesa” não conheceu, entretanto, fronteiras naquele país: instaurou-se nas sociedades industrializadas, projetou-se para além-mar e veio a encontrar no Brasil entusiástica acolhida, marcando profundamente nosso ensino, formando aqui suas “colônias” e expandindo-se, nas ciências exatas e na engenharia, e também na filosofia, nas letras e nas ciências humanas.

Marco Braga mergulhou profundamente no estudo desse projeto, que por sua abrangência e suas intenções denominou de “nova paidéia”, em referência ao contexto de formação do dirigente-filósofo na Grécia clássica, com a ressalva apropriada de que o fundamento da proposta grega era a filosofia, enquanto para os iluministas franceses este fundamento deveria ser a ciência. Ou melhor, uma certa ciência, como bem lembrado pelo autor, aquela ciência resultante da adaptação do newtonianismo por iluministas franceses como Voltaire, Lagrange, Laplace, Legendre, Lazare Carnot, Diderot, D’Alambert, Condorcet e Monge. A obra de Marco Braga pode contribuir para uma reflexão mais esclarecida e aprofundada a respeito dos impasses da educação técnico-científica atual, quando estabelece interessantes confrontos entre diferentes propostas pedagógicas na França iluminista e suas relações com o atual ensino de ciências, quando vai às raízes da influência positivista sobre o paradigma dominante de educação em nossos dias e especialmente quando explicita o processo histórico de derrocada do caráter filosófico da formação cultural ampla até então presente na educação científica, até o tempo dos “engenheiros da Renascença”.

Professor Roberto Cintra Martins

 

Veja também

capa do livro

Metodologias ativas de aprendizagem no ensino superior

Vitor Pires dos Santos e Daniel Kamlot (orgs.)

capa do livro

Aprendendo a inovar em projetos STEAM

Um guia para estudantes

Marco Braga

capa do livro

Controle de Sistemas Amostrados

Luis Antonio Aguirre

capa do livro

Usinagem para Engenharia

Um curso de mecânica do corte

Anna Carla Araujo, Adriane Lopes Mougo e Fábio de Oliveira Campos

capa do livro

Educação, etnicidades e alteridades

Lutas por reconhecimento

José Valdir Santana, Maria de Fátima Ferreira, Benedito Eugenio e Jussara Moreira (orgs.)