capa do livro

Finisterras

Bergström Lourenço Filho sertões adentro

Carlos Monarcha

A roda deste livro gira em torno da passagem de Manuel Bergström Lourenço Filho pelo Estado do Ceará, entre 1922 e 1923. De início, o professor paulista leciona na Escola Normal Pedro II, Fortaleza; logo é designado diretor-geral da Instrução Pública e, à frente desse cargo, executa a reforma do ensino. No entrefazer dos trabalhos, o reformador percorre o alto sertão cearense; passo seguinte, defronta-se com o Padre Cícero Romão Batista, na cidade de Juazeiro, para ele um Brasil a descobrir. Para esse intelectual, que, ao lado de outros, atuou na constituição e institucionalização do sentido moderno de educação, isto é, domínio de conhecimento aplicado, a experiência em terras por ele desconhecidas foi, no sentido clássico da expressão, uma “viagem de formação”, a qual, note-se, seria decisiva na assunção de sua identidade pessoal de intérprete da República iletrada; com efeito, para além dos contatos meramente protocolares, a passagem pelo Ceará levará Bergström Lourenço Filho a apreender mais agudamente o ser inteiriço da formação social brasileira.

Veja também

capa do livro

Educação, etnicidades e alteridades

Lutas por reconhecimento

José Valdir Santana, Maria de Fátima Ferreira, Benedito Eugenio e Jussara Moreira (orgs.)

capa do livro

Vivências e Docência

Impactos na formação individual e na prática docente

Maria Auxiliadora Negreiros de Figueiredo Nery

capa do livro

O Ensino à Distância na formação em Serviço Social

Análise de uma década

Andréa Araújo do Vale e Larissa Dahmer Pereira (orgs.)

capa do livro

Trajetórias docentes

Professores de História narram suas histórias na profissão

Everardo Paiva de Andrade e Marcos Pinheiro Barreto (orgs.)