capa do livro

José Cezar de Magalhães Filho

José Cezar de Magalhães Filho nasceu na cidade do Rio de Janeiro, onde concluiu sua licenciatura em Geografia e História em 1955, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; ingressou em 1953 na atual Fundação IBGE, onde permaneceu durante 38 anos como geógrafo. Escreveu nas publicações desta fundação cerca de 80 artigos sobre Geografia da Energia, Geografia das Indústrias, Geografia dos Transportes, Meio Ambiente, regiões do Brasil etc. Ocupou também alguns cargos técnicos de chefia, nos antigos departamentos Derna e Deman. Foi presidente da Associação dos Geógrafos Brasileiros, na qual lutou e obteve a Re­gulamentação da Profissão de Geógrafo, pela Lei no 6.664\06\79, assinada pelo Presidente da República, João Baptista de Figueiredo. Organizou e presidiu o 3o Encontro Nacional de Geógrafos em Fortaleza ­ (julho de 1978). Lecionou durante 11 anos na Campanha Nacional de Educandários da Comunidade e durante 36 anos na Secretaria de Estado do Rio de Janeiro. Organiza agora o livro Augusto de Magalhães – Poemas.

Ronaldo Menegaz nasceu no Espírito Santo e é doutor em Letras Vernáculas e Literatura Portuguesa pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É pesquisador da Cátedra Padre António Vieira da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, instituição na qual lecionou durante nove anos. Foi técnico em Assuntos Culturais da Biblioteca Nacional e, atualmente, trabalha como lexicógrafo na elaboração da quarta edição do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras. Membro da Associação dos Trabalhadores do Manuscrito Literário, pertence também ao Núcleo de Pesquisa “Manuscritos e Autógrafos” do Real Gabinete Português de Leitura. É responsável pela fixação do texto de diversas edições de originais dos séculos XV e XVI, entre eles O livro de Isaac de Nínive (Biblioteca Nacional, 1994), Teatro de António Ribeiro Chiado – Autos e práticas (com Cleonice Berardinelli; Lello & Irmão, 1994), A Primeira História do Brasil de Pero Magalhães de Gândavo – texto e notas de Sheila Moreira Hue e Ronaldo Menegaz (Editora Jorge Zahar) e “O auto de el-rei Seleuco”, de Luís de Camões (Revista Dionysos, Serviço Nacional de Teatro, 1972).

Murilo Ramos nasceu no município fluminense de São João de Meriti, vindo para a cidade do Rio de Janeiro aos dez anos de idade. Graduou-se pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e leciona Língua Portuguesa e Literatura de Língua Portuguesa. Durante muitos anos foi professor do Colégio Estadual Visconde de Cairu, no Méier, onde se aposentou como Diretor-adjunto. Concomitantemente trabalhou no Banco do Estado do Rio de Janeiro – BANERJ –, onde criou, em colaboração com a professora Maria Elizabete da Silva Bastos, um curso de Português à distância, para os funcionários daquela instituição. Em 1998, publicou pela KroArt Editores, o livro de poemas Trívia, lançado na 15ª Bienal Internacional do Livro, de São Paulo. Colaborou com três textos (Próximas Palavras – Volume 2), produzidos na Oficina Literária de Ferreira Gullar – organização de Therezinha Barbieri – Uerj / 2003. Participou, ainda, das Oficinas Literárias dos escritores Antônio Torres e Rubens Figueiredo, todas na Uerj.



Livros do autor

capa do livro

Tecendo um mundo azul

Versos de mais um bêbado virando um copo de poesia e amor

Letícia Fernandes

capa do livro

Voos da manhã

Maria de Lourdes Alba

capa do livro
capa do livro

Frações

Luiz Cláudio Dias Reis

capa do livro

A vida tem seu tom

Lorraine Veran