capa do livro

Daqui desse lugar

100 artigos sobre Jornalismo, Política e Pertencimento

Vitor Menezes

Há muitas formas de entender o papel do jornalismo e dos jornalistas. Instituição que de modo mais abrangente se associa à missão de informar a sociedade com pretensa imparcialidade, o jornalismo também tem raízes profundas no exercício da política e da opinião.

No caso brasileiro, a imprensa nasce com este espírito, herdado da Revolução Francesa, onde o jornal é um espaço público de combate. Jornal que tem alma é jornal que tem posicionamento em relação à vida em sociedade.

O primeiro jornal do País, o Correio Braziliense, fundado em 1808, pode ser tomado como um genuíno representante do gênero. Editado em Londres, informava o que se passava no Brasil, mas combatia e opinava com a pena vigorosa de Hipólito José da Costa.

Frei Caneca, um padroeiro não canonizado dos jornalistas brasileiros, também foi um combatente que usava a escrita como arma. No seu jornal Tifís Pernambuco, que durou apenas 28 edições, defendeu a causa republicana e acabou condenado à morte em 1825, sentença executada por um pelotão de fuzilamento.

Mesmo nos jornais contemporâneos, onde, na maioria dos casos, a postura editorial busca se associar a valores como pluralidade e independência, o fato é que é nítida a presença de uma determinada visão ideológica a conduzir o noticiário aparentemente isento. Ou, de modo mais explícito, a opinião está presente e é ansiosamente consumida pelos leitores nos editoriais, artigos e colunas.

Informar e opinar são, portanto, práticas indissociáveis no jornalismo. E muitos jornalistas se encantam com a profissão justamente pela possibilidade que ela oferece de interferir no debate público da sua cidade, da sua região ou do seu País.

Este é o caso dos textos reunidos neste livro. Eles são frutos de uma prática jornalística de posicionamento em relação à realidade. Negando a chamada teoria do espelho – onde o jornalismo apenas refletiria o real – o articulista assume a sua potencial interferência na vida pública e acaba por oferecer um registro opinativo sobre uma época.

Aqui organizados em ordem cronológica decrescente, estes 100 textos foram publicados nos jornais fluminenses A Cidade, Folha da Manhã, Jornal do Brasil e Monitor Campista, e nos sites Observatório da Imprensa e Ombudsman e o Leitor, entre 1999 e 2007. A seleção dos artigos teve como critério a possível atualidade opinativa, ainda que, em alguns casos, o elemento que sustenta a opinião tenha sido um fato que se perdeu no passado e, portanto, não mais se caracteriza como notícia.

A divisão em três partes – jornalismo, política e pertencimento – organiza preferências temáticas, com ênfase significativa no terceiro momento. Pertencimento foi o termo encontrado para definir o envolvimento com uma determinada visão de mundo, uma espécie de pertencer simbólico, que norteia as opiniões que vão do local ao global.

A idéia de “cidade” desempenha, aqui, um papel muito acentuado. E esta cidade chama-se Campos dos Goytacazes (RJ). É desse lugar geográfico e simbólico que o autor parte para opinar, observar, registrar. Mas poderia ser de qualquer outro. Inclusive aquele do leitor não campista. Assim como acontece com as pessoas, a identidade das cidades se constrói também na relação com as outras.

Veja também

capa do livro

Nostalgias e mídia

No caleidoscópio do tempo

Lucia Santa Cruz e Talitha Ferraz (orgs.)

capa do livro

Repensando o lazer a partir da cultura digital

Rafael Fortes e Juliana de Alencar Viana (orgs.)

capa do livro

E o samba, sambou?

Retrospectiva do carnaval da última década

Ana Erthal, Eduardo Ariel de Souza Teixeira e Eliana de Lemos Formiga (orgs.)

capa do livro

A Comunicação Multissensorial

Compreendendo modos de sentir

Ana Erthal

capa do livro

TeleVisões

Reflexões para além da TV

Ariane Holzbach e Mayka Castellano (org.)