capa do livro

Ásia

Uma visão histórica, política e econômica do continente

Marília Oliveira e Maurício Silva Santos

Caros leitores:

A intenção dos autores ao escrever este estudo foi o de acrescentar à bibliografia já existente, informações atualizadas sobre o continente, contribuindo assim para o entendimento de particularidades do grande universo asiático, bastante complexo, às vezes, confuso e efervescente em alguns lugares, ao mesmo tempo cheio de relíquias e de situações emergentes. Afinal, a Ásia é o berço de muitos ensinamentos, repassados para o “Ocidente” nesses últimos milênios.

Imaginou-se que o trabalho teria como objetivo e alvo, contribuir de alguma forma para a satisfação dos interesses ou da curiosidade de todos os amantes deste tipo de leitura e de conhecimento.

Para alcançar esse público tão diversificado, os autores lançaram mão de algumas estratégias:

  • A adaptação da linguagem formal e científica, a uma linguagem simples e dialógica.
  • Um exercício de aprofundamento e, ao mesmo tempo, de apresentação superficial dos temas, conforme o caso.
  • O emprego de rodapés e de um glossário – este, no final do livro – que permitam aos não especialistas, melhor compreensão de certos termos específicos, especializados.

Os meios de comunicação de massa fazem-nos sentir objetos e sujeitos de um processo globalizado, que não deixa nenhum cidadão fora de sua órbita e de seu mercado. Ninguém é mais um solitário e, portanto, tem de saber ler o que está contido nas entrelinhas da informação, tirar conclusões e formar sua opinião.

Para facilitar esse tipo de entendimento, o livro segue uma metodologia eclética dentro das Ciências do Homem, percorrendo alguns de seus domínios, como a História e a Geografia (como fios condutores), mas também passando em certos momentos, pela Antropologia, Sociologia, Economia, Política, Direito Internacional, sempre buscando a explicação para os fatos descritos.

Assim, o livro sobre o Mundo Asiático é visto sob dois ângulos: um “Sistemático” e outro, “Regionalizado”.

A Parte I – Visão Sistemática da Ásia, é composta de quatro capítulos assim dispostos:

  • No Capítulo 1, Ásia ou Ásias?, identificamos o espaço físico do continente, a formação e ocupação desses espaços e a sua compartimentação.
  • O Capítulo 2 mostra Os povoadores da Ásia e sua mobilidade. Nele explicamos a organização da sociedade, a sedentarização, as migrações e a superposição dos grupos étnicos que causaram a pluralidade asiática.
  • O Capítulo 3, Vazios demográficos e formigueiros humanos da Ásia, correlaciona os aspectos físicos com a ocupação do continente e justifica a maior ou menor concentração de população nos diversos espaços geográficos.
  • O Capítulo 4 aborda A difícil formação dos Estados asiáticos, os estados mais antigos e a chegada europeia ao continente.

A Parte II – Visão regional: a complexidade dos atuais estados asiáticos está dividida em sete capítulos.

  • O Capítulo 6, chamamos Os gigantes da Ásia. O título se justifica, pois nele apresentamos a China, Japão e Índia em todos os seus aspectos, principalmente econômicos e a importância que têm no continente.
  • O Capítulo 7, fala um pouco sobre Hong-Kong e Taiwan, a dimensão financeira do primeiro, seu papel como porta de entrada para o desenvolvimento da China; a tentativa de autonomia de Taiwan; e a função estratégica que tem no mar da China.
  • A Ásia de Sudeste, de que trata o Capítulo 8, mostra a Indonésia como país muçulmano, seu autoritarismo e sua atuação em relação ao Timor-Leste, que teve repercussão internacional, inclusive no Brasil.
  • O Capítulo 9, A grande diagonal islâmica, discute os acontecimentos em uma das áreas mais conflituosas da Ásia, o Oriente Médio, com destaque para a atuação de Israel na região e as guerras que acontecem naquele espaço.
  • O Capítulo 10 trata da região entre o Mar Cáspio e o Mar de Aral, onde estão as antigas áreas que pertenceram a ex-União Soviética.
  • Descrevemos no Capítulo 11, A geopolítica asiática hoje. Nele colocamos subitens que mostram o crescimento da China e da Índia no contexto mundial; as reações tumultuadas das ex-repúblicas soviéticas, seus recursos naturais e a atuação de alguns países desenvolvidos para tomar o poder da área e retomamos a apreensão do mundo com a região do Oriente Médio.
  • O Brasil não poderia ficar indiferente ao que acontece naquele continente, e por isso, procura manter com os países mais significativos relações econômicas, na tentativa de ampliar sua participação no mercado asiático. É o que discutimos no Capítulo 12, apresentando as Relações do Brasil com a Ásia, com destaque para as relações com o Japão, Índia, China e Arábia Saudita.

Encerramos a Parte II, e o livro, com as Considerações Finais, onde os autores fazem uma síntese e comentários sobre tudo que foi discutido na obra, alertando, porém, ao leitor para o dinamismo e a rapidez com que os fatos e os aspectos políticos, sociais e econômicos certamente, poderão ter ocorrido, sem culpa para autores e editores.

Por necessidade ligada à editoração, acrescentamos um Anexo ao final do livro, com as ilustrações coloridas, às quais o leitor é remetido ao longo do texto.

O eixo fundamental daquilo a que nos propusemos foi cumprido.

Deixamos para o leitor fazer suas reflexões e tirar conclusões que o levem a entender a Ásia e seu papel no contexto mundial.

A composição do texto do presente estudo foi finalizada em setembro de 2008: antes, portanto, da grande crise que se abateu sobre o mundo e que, naturalmente, afetou e afetará muitas considerações aqui envolvidas.

Os autores.

Veja também

capa do livro

O Cerne da Discórdia

A Guerra do Paraguai e o Núcleo Profissional do Exército

Vitor Izecksohn

capa do livro

Trajetórias docentes

Professores de História narram suas histórias na profissão

Everardo Paiva de Andrade e Marcos Pinheiro Barreto (orgs.)

capa do livro

Modernização Tecnológica e Geografia

Luís Angelo dos Santos Aracri

capa do livro

Cientometria Espacial

A geografia do conhecimento no Brasil

Otávio Sidone

capa do livro

Questões agrárias, agrícolas e rurais

Conjunturas e políticas públicas

Renato S. Maluf e Georges Flexor (Organizadores)