capa do livro

Comunicação e tecnologias

Bruno Fuser e Carlos Pernisa Jr. (orgs.)

Apresentamos nesta coletânea um conjunto de artigos de integrantes do Grupo de Pesquisa “Comunicação e Tecnologias”, vinculado ao Mestrado em Comunicação e Sociedade, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). São professores e alunos do curso, que trazem reflexões teóricas e resultados de pesquisas relacionados a sua atividade acadêmica, como docentes ou como alunos do curso.

Francisco José Paoliello Pimenta e Júlia Pessôa Varges, em Second Life: vida e cidadania além da realidade virtual?, fazem um estudo de duas plataformas de entretenimento eletrônico, The Sims e Second Life, no sentido de verificar como estão se dando as vivências no cotidiano físico, concreto, e as novas possibilidades de relacionamentos humanos em cenários digitais imersivos como base para a participação política. Também lidando com o Second Life, Dimas Tadeu de Lorena Filho e Camila Wenzel, em A degenerescência sígnica do metaverso: estudo comparativo entre a web e o Second Life, estudam a relação entre o site da Adidas na web e a loja da mesma empresa no metaverso, buscando compreender como a Internet traz novas formas de representação.

As alterações da sociabilidade causadas pela expansão das redes mediadas por computadores na subjetividade humana e nos relacionamentos entre seus usuários, bem como os aspectos envolvidos no processo de representação pessoal na Internet, compõem o tema de Representar-se on-line: a experiência de usuários do programa MSN Messenger, da mestre Vanessa Alkmin Reis. O trabalho alia a investigação teórica à aplicação de pesquisa empírica, com uma amostra real de usuários do programa, e conclui que a proximidade com as redes sociais físicas e não mediadas e a adoção do endereço de e-mail como critério de busca, seleção e exibição de contatos contribuem para bloquear, em certa medida, os jogos de construção de identidades entre os clientes do MSN Messenger.

Já Marta de Araújo Pinheiro, em Subjetivação e consumo em sites de relacionamento, vai se utilizar do site de relacionamentos Myspace.com para verificar as transformações das relações de subjetivação, cultura e consumo. Isso é feito a partir da progressiva liberação da associação do consumo às categorias de classe social, estilos de vida e atualização do self que permite aproximá-lo do conceito de governabilidade.

Outro texto que aborda as sociabilidades intermediadas ou criadas pelas tecnologias digitais é Free Hugs Campaign: novos hábitos através dos suportes hipermídia, da mestranda Lívia Bergo. No artigo, discutem-se as possíveis razões para o sucesso da Free Hugs Campaign (Campanha de Abraços Grátis), articulando-a com os conceitos da Semiótica de Charles Sanders Peirce. O movimento analisado tornou-se uma manifestação mundial em 2006, tendo como principal meio divulgador a Internet, especialmente o site de compartilhamento de vídeos YouTube.

Carlos Pernisa Júnior e Carlos Eduardo de Martin Silva, em Jogo, experiência, comunicação e tecnologia: Huizinga, Benjamin e Winnicott, estudam como o jogo pode ser entendido como elemento da cultura, tendo a importância de colocar-se como um aspecto no processo de transformação do próprio homem no que ele é hoje. O jogo aparece também em seu caráter de experiência. A experiência do jogo é aquela dita ilusória – de inludere, ou seja, “em jogo” –, o que leva a se pensar nas possibilidades do jogo como maneira de estar no mundo, desde os primórdios até os dias atuais, em tempos de jogos eletrônicos dos computadores.

A articulação entre cidadania e tecnologias digitais é abordada em dois artigos: em As TICs em contexto de cidadania e ação cultural, de Bruno Fuser, discute-se a importância de as políticas públicas de inclusão digital desenvolverem e fortalecerem ações voltadas para a cidadania cultural, em perspectivas criativas e contra-hegemônicas em relação à cultura dominante. A ação cultural é discutida como parte de uma política específica, e que deverá estabelecer uma série de iniciativas visando à promoção, produção, distribuição e uso, além da preservação e divulgação dos patrimônios materiais e imateriais de determinado segmento ou grupo social. Tais conceitos embasam o projeto “Comunicação, Memória e Ação Cultural”, apoiado pela Fapemig, e que desenvolve atividades de pesquisa e de extensão no bairro Dom Bosco, na periferia de Juiz de Fora.

Em Cultura digital, hipermídia e e-Gov, o mestre Júlio César Coelho discute a tecnologia e a linguagem da hipermídia, articuladas aos conceitos de governo eletrônico, cidadania e processos multicódigos. O estudo constata que o Portal da Prefeitura de Juiz de Fora deve incorporar na sua concepção os recursos hipermídia, com suas capacidades multicódigos, como suporte para incentivar a participação direta do cidadão na elaboração de políticas públicas e novas formas de exercer a democracia participativa e a cidadania global.

Fechando a coletânea, Janaina de Oliveira Nunes, em Comunicação, sociedade e novas tecnologias: Bases de transformação para novas práticas de produção e recepção do jornalismo on-line, procura entender os novos paradigmas da sociedade em rede e as novas formas de cognição desencadeadas pelas tecnologias informacionais. Neste contexto, destaca o surgimento de uma geração de consumidores produtores – “prossumidores” – e ressalta a ação desses agentes no ciberespaço, visto como um ambiente não-democrático, no qual as produções culturais competem entre si para ter visibilidade e o jornalismo produzido por profissionais da área vai disputar espaço com usuários que são ao mesmo tempo leitores e produtores de conteúdo.

 

Veja também

capa do livro

Corpos, imaginários e afetos nas narrativas do eu

Denise da Costa Oliveira Siqueira (org.)

capa do livro

Ensaio sobre a pergunta

Uma teoria da prática jornalistica

Maria Luiza Franco Busse

capa do livro

Divulgação científica

faces em reflexão

Mario Newman de Queiroz (org)

capa do livro

Políticas periféricas para um design responsável

Beatriz Russo e Lilyan Berlim (orgs.)

capa do livro

Design e Economia Criativa

ensaios para um campo plural

Mirella De Menezes Migliari (org.)