capa do livro

A ponte do Rio

Luiza Farnese Lana Sarayed-Din

O envolvimento intenso e a alegria de contar uma história da qual grande parte dos entrevistados se orgulhavam, fazia com que eu apenas ligasse o gravador e perguntasse: “qual foi sua participação no Plano de Urbanização da Rocinha que, depois, deu origem ao PAC nas favelas?”. Eu deixava claro que meu principal interesse era entender como e por que esse plano de urbanização, especificamente, recebeu um aporte financeiro tão grande para seu desenvolvimento e, consequentemente, como uma coisa que surgiu dos moradores teve tamanha repercussão? E para estruturar este trabalho, inspirei-me em um pintor de quadros. Desenvolvo uma moldura filosófica com Richard Rorty e Martin Buber, e desenho as linhas e contornos a partir da discussão do formal e informal, aliada à ideia de risco e confiança da obra de Larissa Adler Lomnitz. No entanto, o preenchimento da pintura é todo feito ao sabor das águas, aproveitando a brisa do mar carioca visto do alto de uma montanha, mais especificamente do Rio de várias faces, do Rio Rocinha, do Rio São Conrado, do Rio mar, do Rio montanha. Uso a metáfora da ponte que liga não só ideias, pensamentos, diferenças, enfim que traz a ideia principal deste trabalho, a relação. Afinal, não existe ponte se não for para interligar dois lados, para ser o “entre”, seja do rio ou do Rio.

Veja também

capa do livro

Juventudes Indígenas

Estudos interdisciplinares, saberes interculturais - Conexões entre Brasil e México

Assis da Costa Oliveira e Lúcia Helena Rangel (orgs.)

capa do livro

Ares do Brasil

Celso Furtado, o lugar do desenvolvimento

Andreia Ribeiro Ayres

capa do livro

Trabalho invisível, profissão do lar

A queda do matriarcado e a desvalorização do trabalho feminino

Márcia Neves

capa do livro

Quebra a cabaça e espalha a semente

Desafios para um protagonismo indígena

Bruno Pacheco de Oliveira

capa do livro

O povo parente dos Buracos

Sistema de prosa e mexida de cozinha

Ana Carneiro