capa do livro

Mídia, humor e política

A charge da televisão

Carlos Renan Samuel Sanchotene

Nem sempre as boas pesquisas são necessariamente produzidas nos cursos de pós-graduação. Várias delas já surgem da área de graduação, especialmente naquelas universidades que têm zelado pela preparação das monografias de final de curso como estágio fundamental para o percurso formativo de um pesquisador.

Mídia, Humor e Política: a charge da televisão é um bom exemplo desta modalidade de investimento universitário. Dois anos depois de ter sido apresentado como monografia de conclusão de curso, este texto é transformado no livro que a Editora E-papers publica como forma de reconhecimento da contribuição que a universidade dá para a formação desta nova safra de jovens, promissores pesquisadores da comunicação.

Trata-se de um tema contemporâneo, no momento em que diferentes práticas sociais, como a política, se valem crescentemente de tecnologias e linguagens para realizar o seu processo de midiatização social. Neste caso, é uma articulação de três formas discursivas - política, televisão e humor - mediante criativa metodologia analítica que pretende examinar como o gênero do telejornal e o humor que com ele se articula fala, hoje, da política.

Trata-se de um "humor situado", que se articula às regras do funcionamento do telejornal. Segundo a proposta deste estudo, os enquadramentos do telejornal acolhem o humor pelo texto de Chico Caruso para, dessa forma, instituir uma outra enunciação sobre o que, antigamente, se chamava de texto opinativo.

Além da contemporaneidade do tema e do objeto, outro aspecto que este livro reúne é o bom domínio do autor sobre categorias e conceitos, especialmente as articulações que faz de linguagens e operações enunciativas para descrever a análise do seu corpus de trabalho. Trata-se de um exercício criativo e meticuloso que nada fica a dever aos exercícios similares que se realizam em cursos de pós-graduação.

Para se ter uma noção sobre a qualidade da proposta de análise, o sumário traz pistas interessantíssimas: o autor comenta o ingresso da charge na mídia e as mutações que este processo traz para o traço do humor; desenvolve uma forte elaboração sobre as relações entre mídia e política, destacando suas interações e negociações. Apoiado em autores clássicos, algo que nem sempre  é um hábito na pesquisa recente desta área, discute as formas de sentidos via charge na TV a partir de conceitos como comicidade, riso e humor. Finalmente, descreve as manifestações da charge da TV e estuda um caso de humor político na televisão.

Utiliza-se, assim, de várias técnicas de pesquisa, das fontes documentais aos processos observacionais e o contato com os materiais e, particularmente, o acesso a fontes importantes, como o próprio Caruso, cuja contribuição foi da maior importância para a elucidação dos seus traços no âmbito desta pesquisa e dos seus respectivos objetivos.

O livro é uma contribuição valiosa para a pesquisa sobre o tema e que pode ser apreciada seja pelo trabalho metodológico, como processo, mas, principalmente, pela fina análise dos materiais. Tais aspectos procuram evidenciar a qualidade desta obra e porque a mesma é uma referência promissora para o avanço da pesquisa da comunicação midiática no Brasil.

Dr. Antonio Fausto Neto
Professor do Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos, pesquisador do CNPq.

Veja também

capa do livro

Nostalgias e mídia

No caleidoscópio do tempo

Lucia Santa Cruz e Talitha Ferraz (orgs.)

capa do livro

Repensando o lazer a partir da cultura digital

Rafael Fortes e Juliana de Alencar Viana (orgs.)

capa do livro

E o samba, sambou?

Retrospectiva do carnaval da última década

Ana Erthal, Eduardo Ariel de Souza Teixeira e Eliana de Lemos Formiga (orgs.)

capa do livro

A Comunicação Multissensorial

Compreendendo modos de sentir

Ana Erthal

capa do livro

TeleVisões

Reflexões para além da TV

Ariane Holzbach e Mayka Castellano (org.)