capa do livro

Comunicação, linguagem e análise do discurso

Notas do Seminário de Oratória

Antônio Augusto Braighi (org.)

Oratória se faz na fala, palavra, ponte. Um caminho da oralidade entre mim e o outro. Mas a oratória não existe sem o silêncio, a não palavra. Só existem palavras porque há um espaço vazio, um espaço “em branco”, um silêncio entre elas, que permite que sejam entendidas na sua singularidade, na sua sacralidade. Nenhuma palavra é lançada, e habita entre nós, sem que sua ausência também se manifeste. Este livro traz uma coletânea de textos produzidos no âmbito dos Seminários de Oratória, realizado em Belo Horizonte (MG/Brasil) de 2012 a 2014. O projeto, de iniciativa do professor Antônio Augusto Braighi, nasceu do intento de demonstrar aos discentes (inicialmente do UniBH – Centro Universitário de Belo Horizonte, onde leciona), como o conteúdo teórico ministrado nas aulas de ‘Técnicas de Oratória’ (ainda que esta proponha muitas atividades práticas) se articula com o ofício de profissionais dos mais variados segmentos – como mestres de cerimônias (profissão destacada na primeira edição do encontro), empresários, comunicadores, jornalistas, organizadores de eventos, advogados, entre tantos outros. Nesses ofícios, a palavra é a unidade de sentido, o que fundamenta, o que permite o encontro, a comunicação. Na metáfora proposta por Bakhtin, “a palavra é uma espécie de ponte lançada entre mim e os outros. Se ela se apoia sobre mim numa extremidade, na outra apoia-se sobre o meu interlocutor. A palavra é o território COMUNICAÇÃO, LINGUAGEM E ANÁLISE DO DISCURSO - Notas do Seminário de Oratória comum do locutor e do interlocutor” (BAKHTIN; [VOLOCHÍNOV], 1999, p.113)1. Esse território em comum manifesta-se na comunicação, que remete ao fundamento de toda experiência humana. Da comunicação, resulta, na constituição dos sujeitos, a compreensão que a alteridade é parte integrante de sua identidade no agir da intersubjetividade. E pelo exercício intersubjetivo, à comunicação alia-se a ação emancipadora da palavra. Resumidamente, pensar a comunicação na atualidade é, sobretudo, considerá-la como interação e interatividade, fundada em um processo de mediação de larga escala, perceptível no uso dos diferentes meios de informação, nas novas tecnologias de informação, nas novas práticas de oratória e de produção de sentido (re) significadas, enfim, nas novas condições de trocas sociais.

Veja também

capa do livro

TeleVisões

Reflexões para além da TV

Ariane Holzbach e Mayka Castellano (org.)

capa do livro

Ontem, Hoje e Sempre

Maria Lúcia Gomes de Matos

capa do livro

O Rio de Janeiro dos imigrantes

Páginas de uma cidade de muitos povos

Camila Escudero

capa do livro

Efeito e Recepção

A interpretação do processo receptivo em duas tradições de investigação sobre os media

Itania Maria Mota Gomes