capa do livro

O Rio de Janeiro dos imigrantes

Páginas de uma cidade de muitos povos

Camila Escudero

Também conhecidos como jornais de colônia ou coloniais, jornais étnicos, jornais estrangeiros ou de língua estrangeira, a imprensa imigrante é mais um fenômeno resultante do processo migratório internacional. Seu surgimento está intimamente ligado à chegada e ao estabelecimento de um grupo de imigrantes em um novo território; seu perfil, desenvolvimento e continuidade dependem: 1) da capacidade de organização do grupo envolvido; 2) dos interesses e necessidades dos membros desses grupos; e 3) de fatores econômicos, políticos, técnicos, culturais e sociais de ordem regional. No Brasil, as primeiras publicações apareceram bem antes do fim do século XIX – período considerado como a “grande corrente migratória”, que durou até cerca de 1940. Pesquisas prévias indicaram a existência de, pelo menos, 158 títulos publicados de e para as comunidades alemã, italiana, portuguesa, judaica, francesa, espanhola, árabe, entre outras. É a história dessa imprensa no Rio de Janeiro e sua relação com a cidade que este livro aborda.

Veja também

capa do livro

Corpos, imaginários e afetos nas narrativas do eu

Denise da Costa Oliveira Siqueira (org.)

capa do livro

Ensaio sobre a pergunta

Uma teoria da prática jornalistica

Maria Luiza Franco Busse

capa do livro

Divulgação científica

faces em reflexão

Mario Newman de Queiroz (org)

capa do livro

Políticas periféricas para um design responsável

Beatriz Russo e Lilyan Berlim (orgs.)

capa do livro

Design e Economia Criativa

ensaios para um campo plural

Mirella De Menezes Migliari (org.)