capa do livro

Cientometria Espacial

A geografia do conhecimento no Brasil

Otávio Sidone

A concentração da produção científica é um dos fatores de manutenção dos desequilíbrios regionais. Isso ocorre em várias partes do mundo, incluindo países líderes mundiais em ciência e tecnologia, onde a produção tende a se concentrar fortemente em algumas poucas regiões. A desconcentração relativa que ocorreu nos últimos anos no Brasil, documentada neste estudo, tem uma importância muito grande para o desenvolvimento regional, com potenciais ganhos de competitividade das empresas locais em função da possibilidade de absorção dos conhecimentos gerados.

Spillovers de conhecimento – transbordamentos por meio dos quais a produção acadêmica/científica é absorvida, assimilada e utilizada pelas firmas do setor privado, constituindo uma fonte primária da inovação tecnológica – são hoje reconhecidamente concentrados espacialmente. Isto é, a probabilidade de as empresas virem a utilizar os conhecimentos gerados depende de sua proximidade geográfica com os centros produtores desses conhecimentos – no caso, as universidades e centros de pesquisa.

Não é trivial, todavia, mensurar a absorção do conhecimento por parte do setor produtivo materializado em produtos e processos que contribuem para o desenvolvimento econômico de um país ou região. As dificuldades em quantificar fluxos de conhecimento, propagadas por Paul Krugman ao considerá-los invisíveis aos olhos dos pesquisadores, uma vez que não deixariam pegadas a serem mensuradas e trilhadas, nem sempre se tornam intransponíveis. Adam Jaffe e seus coautores perseguiram pegadas e, em estudo pioneiro, confirmaram haver evidências de que os spillovers de conhecimento são concentrados no espaço ao compararem a localização geográfica de citações de patentes e das respectivas patentes citadas.1

Mais recentemente, as trilhas do conhecimento têm sido identificadas por outras pegadas além das patentes, igualmente mensuráveis. A análise de redes colaborativas entre firmas e universidades, e entre as próprias universidades, por exemplo, ajudam a determinar a influência das redes na explicação dos processos de criação e difusão do conhecimento. Otávio Sidone se aventurou por uma dessas trilhas ao nos oferecer um melhor entendimento do papel desempenhado pela geografia nas redes de colaboração científica no Brasil. O autor analisou mais de um milhão de currículos de pesquisadores que atuam em instituições brasileiras, identificando, em mais de sete milhões de publicações, coautorias em produções bibliográficas relevantes para as grandes áreas de conhecimento. Os resultados oferecem ao leitor fotografias detalhadas que nos permitem compreender a evolução geográfica da produção científica e a disposição dos fluxos de conhecimento no Brasil, considerando papel da proximidade geográfica determinante das interações colaborativas entre os pesquisadores, temas que ainda não haviam sido explorados de forma compreensiva para o caso brasileiro. Trata-se de um dos primeiros estudos de cientometria espacial para o Brasil, talvez o mais completo tanto de vista da espacialidade quanto da temporalidade. Por seu rigor metodológico, sua originalidade e seu caráter pioneiro na cientometria brasileira, este livro tem o potencial de deixar uma pegada marcante a ser trilhada por outros pesquisadores.

Eduardo Amaral Haddad
São Paulo, 21 de outubro de 2018

1 Jaffe et al. (1993).

Veja também

capa do livro

Modernização Tecnológica e Geografia

Luís Angelo dos Santos Aracri

capa do livro

Questões agrárias, agrícolas e rurais

Conjunturas e políticas públicas

Renato S. Maluf e Georges Flexor (Organizadores)

capa do livro

Práticas religiosas afro-brasileiras e as Ciências Ambientais

Carlos José Saldanha Machado, Rodrigo Machado Vilani, Ramon Fiori Fernandes Sobreira

capa do livro

Como se fosse da família

a relação (in)tensa entre mães e babás

Liane Maria Braga da Silveira