capa do livro

A República dos Golpes

Da conciliação a rupturas

Lincoln de Abreu Penna

Há várias maneiras de se registrar a evolução de um regime político. Neste livro o meu propósito é o de inventariar a República brasileira a partir da sucessão de golpes de Estado, alguns frustrados, outros executados e cujos resultados ainda estamos a experimentar, porque os golpes não se esgotam senão quando plenamente superados. Como fato histórico recorrente é um objeto a ser investigado, cada qual de per si, mas sempre buscando as razões que determinaram essa variação de atos golpistas a marcar de forma indiscutível o caráter político das classes dominantes, bem como daquelas classes dirigentes de um país que não conseguiu reescrever sua história, quase sempre mascarada por avaliações que desprezam o papel desses eventos mais cruentos, como são os golpes.

A República dos Golpes se ocupa de um retrato em preto e branco das classes dominantes brasileiras desde as de caráter escravocrata às de conformação burguesa. Nesse processo há registros e relatos, como da história de um golpe dentro do golpe em meio a artimanhas no seio das forças que mantiveram o Brasil submetido à lógica perversa da mais longa estrutura política autoritária do período republicano, como veremos. Essa burguesia não produziu senão a defesa intransigente de seus interesses sempre distantes do povo. E em momento algum, quando se tornou classe hegemônica, a burguesia promoveu a remoção dos vestígios e de um passado colonial e a superação das formas pré-capitalistas de produção, juntando-se quase sempre aos setores da velha e carcomida Casa Grande. Por isso esteve alheia à construção de um projeto de nação.

Golpes existiram muitos. Há os que mudaram os regimes vigentes, os que alteraram governos eleitos ou não, e os que foram concebidos ao largo do funcionamento de governos entre seus próprios membros, até os que vieram de fora, cujas inspirações sempre existiram, mas nem sempre se tornaram realidades. Esse mosaico de ações maculadoras de um ordenamento minimamente civilizado no que diz respeito a normas de acatamento às regras constitucionais e institucionais serão com maior ou menor ênfase objeto deste livro. É possível se trabalhar com a ideia de golpe continuado, porque desde a implantação da República o recurso a atos que têm como objetivo alterar o curso dos acontecimentos teve respaldo junto às elites dominantes. Daí, o emprego tanto ou quanto sistemático de tais recursos. Geralmente, prevalece o retorno ao passado.

Veja também

capa do livro

Trajetórias docentes

Professores de História narram suas histórias na profissão

Everardo Paiva de Andrade e Marcos Pinheiro Barreto (orgs.)

capa do livro

Caminhos da Soberania Nacional (2ª edição)

Os Comunistas e a Criação da Petrobras

Lincoln de Abreu Penna

capa do livro

Peter Wilhelm Lund

O naturalista que revelou ao mundo a pré-história brasileira

Ana Paula Almeida Marchesotti

capa do livro

O pai do futurismo no país do futuro

As viagens de Marinetti ao Brasil em 1926 e 1936

Orlando de Barros

capa do livro

A quadrilha, da partitura aos espaços festivos

Música, dança e sociabilidade no Rio de Janeiro oitocentista

Rosa Maria Zamith