capa do livro

Ensino de Jornalismo em tempos de convergência

Elias Machado e Tattiana Teixeira (orgs.)

Nos últimos 10 anos, o estudo das particularidades, deficiências, avanços, desafios e perspectivas do ensino de jornalismo mereceu a atenção de diversos pesquisadores e está presente em trabalhos como os de Galdon (1999), Pavlik e Powell (2000), Fröhlich e Holtz-Bacha (2003), Machado e Palacios (2007), Tejedor Calvo (2007), entre muitos outros. O aumento da preocupação com a temática acompanha, por um lado, a crescente universalização do ensino universitário em todos os continentes e, por outro, decorre da relevância, cada vez maior, que a prática do jornalismo tem alcançado na consolidação das democracias nas sociedades contemporâneas, como demonstrado em obras como as de Gomis (1991), Merrit e McCombs (2004), Gentilli (2005), Franciscato (2005), Alsina (2005), Hanitzsch e Wahl-Jorgenson (2009), Guerra (2009) e Schudson (1995; 2008).

Nesta coletânea, entregamos aos(às) leitores(as) um conjunto de artigos relacionados com o ensino do jornalismo na era da convergência tecnológica, com destaque para as atividades desenvolvidas no curso de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina, um dos mais conceituados do país e que, em 2009, completou 30 anos. Os artigos reunidos no livro são resultantes das pesquisas preliminares da equipe da UFSC que participa da Rede Procad (Programa de Cooperação Acadêmica), financiada pela Capes.

Formada em dezembro de 2007, a Rede Procad, que tem como tema "O ensino de Jornalismo na Era da Convergência Tecnológica - grades curriculares, planos de ensino e demandas profissionais" (2008-2011), congrega pesquisadores de quatro programas de pós-graduação de quatro estados (Bahia, Paraná, Santa Catarina e São Paulo) e três regiões diferentes (Sul, Sudeste e Nordeste): Programa de Pós-Graduação em Jornalismo (UFSC), Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas (UFBA), Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade de São Paulo (ECA-USP) e Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Linguagens (Tuiuti-PR).

Além das pesquisas temáticas, o Procad possibilita a realização de missões científicas pelos docentes dos programas envolvidos, viagens de estudo dos bolsistas de cada uma das equipes locais e a participação dos pesquisadores em congressos científicos. Desde o segundo semestre de 2009, a Rede Procad disponibiliza uma página na web, criada pelo bolsista Diego Kerber, do Lapjor/UFSC, no endereço http://www.procadjor.cce.ufsc.br, com todas as informações sobre o que é o programa, o projeto em desenvolvimento, dados sobre a equipe, calendário das atividades dos pesquisadores, além de uma base de dados, com o levantamento de ampla bibliografia sobre o ensino de Jornalismo, publicada no país e no exterior.

Como resultado do primeiro ano de trabalho, produzimos este livro, que está dividido em duas partes. A primeira é dedicada ao ensino de jornalismo, em uma perspectiva mais teórica e abrangente, e busca uma discussão sistemática e ampla sobre o ensino em tempos de convergência. Entre os temas discutidos pelos colaboradores, destacamos a universalização do uso das tecnologias digitais, com suas implicações para as práticas docentes, o desenvolvimento de metodologias e as consequências deontológicas destas transformações na prática do Jornalismo. A segunda parte é dedicada às práticas de ensino e pesquisa. De viés mais específico, abrange os relatos de experiências de ensino em disciplinas do curso de Jornalismo da UFSC e apresenta os resultados parciais das pesquisas dos estudantes Pibic Diego Kerber e Rodolfo Espínola, envolvidos com o desenvolvimento de uma Plataforma de Produção de Conteúdos Jornalísticos Multimídia (Pacjor), projetada, em parte, para o uso no ensino de jornalismo.

Os trabalhos aqui reunidos tem como objetivo principal socializar para os demais colegas - professores, pesquisadores e estudantes - os resultados preliminares das atividades dos membros da equipe Procad/Capes/UFSC. No momento em que os cursos de Jornalismo são confrontados com a Proposta de Novas Diretrizes para o Ensino de Jornalismo e com o fim da obrigatoriedade da formação superior específica para o exercício da profissão, cremos que este tipo de contribuição seja importante para estimular os colegas a desenvolverem estudos mais sistemáticos sobre a realidade do ensino de Jornalismo no país. Se, como interpela Galdón (1999, p. 177), "não te conformas em cumprir o expediente de forma burocrática e tens desejo de melhorar", esperamos que esta coletânea possa colaborar para o aprofundamento da discussão sobre os projetos político-pedagógicos, as práticas e as metodologias de ensino. Acima de tudo, para o lançamento de iniciativas nacionais que visem a elaboração de estatísticas confiáveis sobre o ensino de Jornalismo e para a realização de estudos comparativos periódicos a fim de que possamos planejar melhor o futuro e contribuir para a formulação de políticas públicas neste campo de conhecimento. A todos(as) uma boa leitura.

 

Florianópolis, dezembro de 2009.

Elias Machado

Tattiana Teixeira

Veja também

capa do livro

Nostalgias e mídia

No caleidoscópio do tempo

Lucia Santa Cruz e Talitha Ferraz (orgs.)

capa do livro

Repensando o lazer a partir da cultura digital

Rafael Fortes e Juliana de Alencar Viana (orgs.)

capa do livro

E o samba, sambou?

Retrospectiva do carnaval da última década

Ana Erthal, Eduardo Ariel de Souza Teixeira e Eliana de Lemos Formiga (orgs.)

capa do livro

A Comunicação Multissensorial

Compreendendo modos de sentir

Ana Erthal

capa do livro

TeleVisões

Reflexões para além da TV

Ariane Holzbach e Mayka Castellano (org.)